domingo, 13 de fevereiro de 2011

Costumes - coisa boa ou não?

Estava conversando ontem à noite sobre uma hábito que tem aqui na minha cidade que é "tipo" uma Romaia à uma cidadela aqui perto, onde no dia da "Santa" (eu não sei qual que é, pois eu não sou católica), eles (as pessoas) saem daqui e vão pra essa cidade à pé. Sim - à pé!
Não sou contra a fé, eu tenho fé, acredito e confio em tudo o que Deus me dá, sei que é tudo por merecimento. Sou contra esses costumes antigos, pois existem pessoas e pessoas, pessoas que vão até lá por fé, mas existem os baderneiros que vão só por causa da bagunça. Perguntei à essa pessoa (a que eu estava conversando ontem), porque que ela foi até a cidade á pé, e fiquei sem resposta.
Ou seja, não foi por causa da fé.
Você vai, porque sua mãe vai, e sua mãe vai, porque sua vó ia, e sua ví ia porque a bisa ia e etc... é a mesma coisa da caixinha de Skinner (não me lembro como escreve o nemo dele - meninas da facul lembram-se do Prof. Wagner falando disso na facul.?) que ele colocava os ratos dentro da gaiola e uma escadinha, se eles subissem a escadinha eles tomavam choque, aí eles se acostumaram a bater nos ratinhos que subiam na escadinha para não tomar choque, e os ratos foram sendo trocados e a tradição de bater nos ratinhos que chegavam perto da escadinha continuou, sem saber o motivo real de porque bater nos ratinhos que cehgavam perto da escadinha.
É assim hoje, existem muitos costumes que seguimos, nem sabemos porque e muito menos questionamos os motivos pelos quais eles existem.
Acretido que exitem muitas coisas que devemos questionar, mas quando questionamos certas coisas, não ouvimos respostas.


domingo, 6 de fevereiro de 2011

Post cedido à outra escritora...

Bom, este post não é de minha autoria, é um depoimento que recebi de uma amiga minha e resolvi publicá-lo aqui (sem ela saber rsrsrs)
Fiquei muito triste e comovida com ele, e quero compartilha-lo com meus fiéis leitores...

Chegou o dia em que não estão mais juntas aquelas amigas que pareciam ser inseparáveis.O dia em que cada uma seguiu seu caminho.

Chegou o dia em que perdemos uma de nossas amigas tragicamente e para sempre.O dia em que a estrela de seis pontas teve uma delas de volta ao céu.

Chegou o dia em que não ficamos mais ansiosas para tirar novas fotos para o orkut. O dia em que não temos mais fotos novas juntas

Chegou o dia em que nao fazemos mais loucuras juntas.Nem fazemos mais aquelas colas surreais para repassar entre nós. Nem aqueles trabalhos de última hora que fazíamos juntas no último instante e no bar do Xandel.

O dia em que não nos encontramos todos os dias na facul.

O dia que não nos encontramos nem mesmo fora da facul.

E chegou o dia em que as amigas, além de longe, ficaram distantes uma da outra.

Mas ainda chegará o dia em que contaremos a nossos filhos e netos o quanto fomos felizes juntas.
(Patrícia M. Ospedal)